– Como é que a gente vai descer daqui quando escurecer?

– Do mesmo jeito que a gente subiu, segurando nas grades do portão.

– Até ai tudo bem, mas acho que errei a altura da sua laje…

– Não sabia que você tinha medo de altura.

– Não da altura, é de cair mesmo

– Vou fingir que acredito então.

– Sabe Katie, eu estou meio ansioso pra ver o por do Sol daqui, o pico não atrapalha né?

– Não, não daqui de cima.

– Deveras, nunca vi uma laje de cem metros…

– Will!

– Tá bom, tá bom. Parei.

– Depois eu te ajudo a descer; ou a gente pode acampar aqui em cima, acho que a noite vai ficar estrelada hoje.

– Tomara, a lua tem estado muito bonita essa semana.

– E brilhante também.

– É. Qualquer dia vou comprar uma câmera decente e sair por ai tirando fotos dela e das estrelas, meu celular não presta pra isso.

– Você me leva?

-Pra onde?

– Para ir tirar as fotos.

– Eu já estava contando com você, Katie.

– Acho bom.

– Não vou te falar nada.

– Se reclamar quero ver como você vai descer daqui sozinho.

– Será que entregam pizza aqui?

– Vai começar, olha lá.

–  Olha só essas cores…

– Demais né?

– Se é. Obrigado pelo convite Katie.

– Eu estava te devendo, tomei muito tempo seu desta vez.

– Que se dane a dívida. Eu te ajudo e você me ajuda, pra mim é justo o bastante.

– Mas eu precisava te pagar de algum jeito.

– Não sei porque eu tento… Você ouviu sobre a nova teoria do fim do mundo?

– Que uma chuva de meteoros vai acabar com tudo nos próximos dois anos?

– Essa mesma. As vezes parece que querem acabar com o mundo de qualquer jeito…

– Cada vez mais parece que estão conseguindo.

– Eu acho que eles estão errados, não deveríamos desperdiçar nossas vidas com coisas bestas.

– É por isso que eu tento viver o hoje Will, mesmo que eu me preocupe tanto com o futuro.

– Sabe Katie, se um dia o mundo acabar, que seja entre um ano e dois ou mais que isso. Se as estrelas caírem sobre nós como uma tempestade violenta que leva tudo no caminho, eu só tenho um desejo.

– Qual desejo?

– De estar com você. Você é minha melhor amiga, não tem como eu querer outra coisa.

– Você vai segurar a minha mão?

– E te abraçar se você quiser.

– Se você me prometer.

– Por tudo o que eu valho.

– Então não me desaponte Will, até esse dia chegar quero que você não desista dos seus sonhos.

– O mesmo vale para você.

– Eu prometo. De dedo mindinho.

– É uma boa. Então Katie, se um dia as luzes das estrelas se forem e caírem sobre a gente, eu prometo que estarei com você. Prometo de dedo mindinho.

– Daqui até lá Will, eu estarei com você. Dia após dia. Mesmo que um de nós encontre alguém ou que nossa vida esteja mais bagunçada e ocupada. Eu estarei com você se você estiver comigo.

– Eu estarei. Como sempre estive.

– Eu sei.

– Que esse anoitecer seja nossa testemunha. E que as estrelas não caiam tão cedo, para assim vivermos o bastante. Juntos.

– Juntos até o fim Will.

– E depois dele?

– Também Will. Depois também meu amigo.

– Eu amo você sua cabeçuda.

– Eu também te amo seu besta.

– Mais do que seus cachorros e gatos?

– Você quer que eu responda?

– Não. Me deixa ficar abraçado aqui com você que já me basta.

– Se aparecer uma estrela cadente você quer fazer um pedido ?

– Talvez, mas o que eu sempre  quis está aqui comigo.

– Uma laje alta?

– Só se ela se chamar Katie e tiver tatuagens.

– Haha… Obrigada Will.

– Eu que deveria agradecer.

– Mesmo assim, obrigada por ser você e me deixar ser quem eu sou.

– Você é livre menina, não precisa de ninguém para conquistar seu mundo. Principalmente homens.

– Eu sei, e por isso mesmo, obrigada por me acompanhar e não brigar com minhas possíveis namoradas.

– Estamos ai.

– Eu sei que sim. E de dedo mindinho.

– Eu te amo Katie, você sabe.

– Eu te amo Will, você sabe também.

*Inspirado na música “If The Lights Go Out” de Katie Melua.

(Visited 50 times, 1 visits today)