Sobre Amor e outras drogas

Não Pode Nos Segurar

Meus olhos estão fechados

A batida da música nos meus ouvidos agita o sangue dos meus braços cruzados

Enquanto a ansiedade acelera meu coração

Minha cabeça coberta por um casacão balança lentamente para frente e para trás

Meu rosto está sério

Minha mente é um turbilhão esperando para ser acalmado

Ou liberado de vez

 

Faço uma respiração profunda

Alongo o pescoço sem olhar para lugar nenhum

Por instantes o mundo se torna o escuro dos meus olhos

A música que se repete no MP3

E as lembranças e desejos na minha mente

 

Sinto o toque de uma mão no meu ombro esquerdo

É a minha deixa

Ouço ao fundo o grito abafado de uma plateia dispersa

Eu sou o próximo

Abro os olhos

Um vento gelado bate no meu rosto inexpressivo

Em total contraste com a ansiedade que grita dentro de mim

 

O primeiro passo parece doer e pesar

O segundo embrulha meu estômago

A curta caminhada parece infinita

A visão se turva

A música reinicia enquanto tiro os fones disfarçando o nervosismo presente nas minhas mãos tremulas

Vejo alguns rostos conhecidos me dando apoio

Penso em outros que não estão ali

Mas estão comigo de outra forma

Estão por mim

Assim como eu estou por mim

 

Lembro de tudo que passou até esse momento

Treinando duro nas noites frias sem estrelas

Ou nas noites de luar

Dos pequenos e grandes sacrifícios

Das dores, cores, lágrimas e sorrisos

Basta mais um degrau agora

Eu volto a mim

Estou de frente ao ringue

 

Não penso em voltar

Este é meu momento

Eu vou até a luta acabar

O céu não é meu limite

Esta é a hora de fazer o que sei

 

Eu calo minha mente

Entro na arena

Uma última imagem passa na minha cabeça

Eu sorrio

Levanto minha mão direita

E sei, mais do que nunca

 

Que nada pode me segurar


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *