Sobre Términos e Gratidão

O que que eu faço amanhã, depois que tudo éramos, acabar?
O que que eu faço amanhã, quando me levantar e ter que pegar outro caminho só para não te encontrar?
O que que eu faço antes de amanhã, quando eu te mandar uma mensagem e você demorar mais que o comum para responder?
O que que eu faço com essas novas mensagens vazias, me dizendo que você é só mais uma pessoa cansada, com muito trabalho, estudos e obrigações mas que “é impressão sua, amor, tá tudo bem”?

 

O que que eu faço hoje, quando depois de quase não nos falarmos mais, por um tempo que parece a eternidade, você pedir para conversar e me dizer que precisa pensar mais em você?

 

O que que eu faço amanhã, quando nosso para sempre tiver acabado?
Me diz, como eu vou reaprender a viver sem você?
Sem teu cheiro, sem teu toque, sem tua voz gostosa que me acalma e excita.
O que que eu faço com sua presença, que foi diminuindo nesses últimos tempos, mas ainda está aqui?

 

Me responde, em quem eu vou pensar antes de dormir, e imaginar que está ali no meu lado, por mais uma noite que eu não conseguir dormir.

 

O que que eu faço amanhã, com nossos planos, lugares e segredos?
O que que eu falo amanhã, quando tentarem me consolar e eu querer me afastar do mundo?
Como eu vou agir amanhã, quando a dor que anunciava vir, chegar?
Pra quem eu vou olhar e me inspirar?

 

Me questiono por qual razão parece ser mais fácil largar do que encarar e conversar, desde o começo, abertos de verdade um para o outro, sem medo, sem ter que ter razão ou ser cabeça dura?

 

O que que você vai fazer amanhã?
Como vai lidar com seus sentimentos e com o que se tornou nossa história?
Queria te pedir para me ensinar a te esquecer.

 

O que que eu faço amanhã, na rua, quando perguntar aos sete ventos por qual razão, ainda não sabemos amar? Me dirão os que amam “o amor também pode acabar”.
Eu discordo, ele não acaba, o amor se transforma, mesmo que a relação venha a acabar, o amor não causa dor.

 

Se você quiser saber.
Amanhã, meu (ex) (passado) (presente) amor, eu vou viver minha dor, não falarei mal de você, como ofenderia algo que me fez tão bem?
Viverei minha dor e guardarei apenas nossos bons momentos.
Amanhã, no auge da minha recente solidão, eu vou agradecer, a você, a mim, ao universo, ao que foi nosso amor.
Amanhã eu vou agradecer, tirar meu tempo e seguir a vida.

 

Você foi a melhor coisa para mim nesses tempos loucos, sei que está indo embora e talvez não volte, mas obrigado por ter ficado, por ter sorrido, por nossas trocas, pelo que fomos.

 

Eu te agradeço e te guardo no coração.

 

E sobre o que eu farei depois de amanhã, preciso agradecer a vida novamente, cuidar do q esqueci em mim e estar no ponto de partida.

 

Para a vida, para esquecer o que houver de ruim, para fazer minha arte.

 

Para sorrir, para ser uma pessoa pronta, para um novo amor.

(Visited 78 times, 1 visits today)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *